Ergonomia: entenda o que é, quais são os tipos e seus benefícios

Você sabe o que é ergonomia e qual a importância dela para os funcionários da sua empresa?  Descubra tudo neste artigo!  

Índice de leitura:

  1. O que é ergonomia? 
  1. Qual o objetivo da ergonomia no ambiente de trabalho? 
  1. Princípios da ergonomia 
  1. Origem do termo “ergonomia” 
  1. Um breve histórico sobre a ergonomia 
  1. O que é a NR – 17 
  1. Tipos de ergonomia 
  1. Importância da ergonomia  
  1. Quais são os benefícios da ergonomia para sua empresa 
  1. Conheça um pouco mais sobre as doenças ocupacionais 
  1. Como implantar a ergonomia na sua empresa 

O que é ergonomia? 

A ergonomia é a ciência responsável pelo estudo e implantação de normas e procedimentos que analisam e compreendem a interação entre o homem e seu ambiente, condições e ferramentas de trabalho, para promover saúde, segurança e bem-estar. 

Qual o objetivo da ergonomia no ambiente de trabalho?  

O principal objetivo da ergonomia é minimizar possíveis riscos, a fim de que as capacidades físicas, emocionais, mentais, sociais e psicológicas do trabalhador sejam preservadas. Nesse sentido, a ergonomia promove ações voltadas para a segurança e conforto do trabalhador, além de colaborar diretamente para a prevenção de doenças ocupacionais. Para isso, ela deve atuar nos processos organizacionais e operacionais dentro das empresas. 

Princípios da ergonomia  

Segundo a Associação Brasileira de Ergonomia (ABERGO), “os princípios da ergonomia estão enraizados em valores sociotécnicos” – isto é, eles buscam excelência no desempenho técnico do trabalho e, ao mesmo tempo, qualidade na vida profissional das pessoas. Veja, abaixo, a lista dos 7 princípios básicos da ergonomia: 

  1. Garantir uma postura de trabalho segura. 
  1. Fazer com que o posto de trabalho seja adequado e apropriado à natureza da atividade. 
  1. Reduzir os esforços físicos excessivos. 
  1. Fazer pausas organizadas durante o tempo de trabalho. 
  1. Eliminar a repetição excessiva de tarefas e movimentos. 
  1. Disponibilizar equipamentos de proteção coletivos e individuais que cumpram com os critérios ergonômicos. 
  1. Promover um ambiente confortável e minimizar possíveis riscos. 

Origem do termo “ergonomia”  

A própria composição do termo “ergonomia” já faz referência ao seu significado. A palavra “Ergon” vem do grego e significa “trabalho”, enquanto “nomos”, que também vem do grego, significa “leis ou normas”. Desse modo, “Ergonomia” designa o estudo científico e normativo das relações e condições de trabalho, analisando como o homem interage com o meio e com suas ferramentas profissionais, além de indicar regras e normas voltadas para a segurança do trabalhador e para a produtividade da empresa.  

Um breve histórico sobre a ergonomia 

O termo “Ergonomia” foi empregado pela primeira vez em 1857 pelo biólogo polonês Wojciech Jastrzebowski, que publicou um artigo intitulado “Ensaios de ergonomia, ou ciência do trabalho, baseada nas leis objetivas da ciência sobre a natureza”.  

Mas antes mesmo do termo surgir, já existiam registros históricos de doenças e lesões relacionadas ao ambiente de trabalho. O primeiro estudo que relacionou esses fatores data de 1700, e foi publicado pelo médico italiano Bernardino Ramazzini no livro De Morbis Artificum Diatribaque pode ser traduzido como “As Doenças dos Trabalhadores”. Nessa obra, o médico analisou mais de cinquenta profissões da época, e descreveu quais eram as condições de trabalho e apontou as possíveis doenças ou acidentes mais frequentes que ocorriam em cada uma delas. 

Já em 1911, Frederick Taylor publicou o livro “Princípios de Administração Científica”, uma obra essencial não só para otimizar e racionalizar as operações de trabalho, mas também para permitir que o trabalhador pudesse executar suas tarefas em segurança e da melhor forma possível. 

Décadas depois, após o fim da Segunda Guerra Mundial em 1945, o conceito de ergonomia se difundiu pelo mundo, trazendo inúmeros benefícios aos trabalhadores e à produtividade gerada nas empresas.  

Em 1949, foi criada na Inglaterra a Ergonomics Research Society, e a ergonomia foi estabelecida como disciplina acadêmica. Dez anos depois, nos Estados Unidos, foram criadas a Human Factors Society (HFS) e a International Ergonomics Society (IES). Na França, em 1963, foi criada a Societé d’Ergonomie de Langue Française (SELF). E finalmente, em 1983, surgiu a Associação Brasileira de Ergonomia (ABERGO), uma associação sem fins lucrativos que trabalha para o desenvolvimento e difusão da Ergonomia no país – e que se encontra funcionando até os dias atuais. 

O que é a NR – 17  

Antes de discorremos sobre a NR – 17, quero te fazer uma pergunta simples: você sabe o que é uma Norma Regulamentadora (NR)? 

No Brasil, as Normas Regulamentadoras são responsáveis por estabelecer os procedimentos necessários relacionados à saúde e segurança do trabalhador. Elas fornecem orientações e regras essenciais para prevenir doenças ocupacionais e evitar danos ao trabalhador ou prejuízos à empresa. Atualmente, existem 36 normas regulamentadoras registradas na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Dentre elas, existe a NR – 17, que aborda e estabelece as questões ergonômicas no ambiente de trabalho. Confira, a seguir, um trecho do documento que estabelece a norma: 

“17.1: Esta Norma Regulamentadora visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente.”

Mas existem consequências pelo descumprimento da norma NR – 17? A resposta é que sim: tanto a empresa quanto o trabalhador podem ser sancionados neste caso. Veja, a seguir, o que acontece em cada situação: 

  • Quando a empresa descumpre as regras estabelecidas na NR – 17: 

Neste caso, inicialmente a empresa recebe uma notificação para corrigir as irregularidades em até 60 dias. Caso isso não aconteça, a instituição pode receber uma multa e até mesmo ter de responder judicialmente

  • Quando o trabalhador descumpre as regras da NR -17: 

Já quando é o trabalhador que não cumpre com a NR – 17, ele está sujeito a sofrer uma demissão por justa causa. 

Portanto, é muito importante ficar atento e não deixar nenhuma norma passar em branco!  

Tipos de ergonomia 

A ergonomia pode ser classificada em três tipos diferentes:   

  • Ergonomia Física 

Essa área da ergonomia é responsável por analisar as relações fisiológicas, antropométricas e biomecânicas do ser humano.  Ela permite que, através de uma análise anatômica do corpo humano, sejam desenvolvidos equipamentos e ferramentas de trabalho adaptáveis e que trarão mais segurança e conforto.  

  • Ergonomia Organizacional 

A ergonomia organizacional busca otimizar a relação entre as partes social e técnica de um sistema produtivo, ou seja, ela busca melhorar a relação do ser humano com os processos operacionais, organizacionais, administrativos e políticos da produção. 

  • Ergonomia Cognitiva  

A ergonomia cognitiva estabelece normas que zelam pela saúde mental do trabalhador, promovendo medidas que reduzirão os fatores de estresse provocados pelo ambiente de trabalho. Afinal, questões mentais podem afetar o foco, o aprendizado e a produtividade do trabalhador. 

Importância da ergonomia

Ações ergonômicas geram mais conforto, bem-estar e segurança para o trabalhador. Além disso, elas podem atingir resultados que levam ao aumento da produtividade e da lucratividade da empresa.

Quais são os benefícios da ergonomia para sua empresa

A ergonomia impacta tanto na qualidade de vida dos trabalhadores quanto nos resultados esperados pela empresa. Pensando nisso, separamos para você uma lista com 10 benefícios da implantação de ações ergonômicas no seu negócio. Confira: 

  1. Redução da taxa de absenteísmo – ou seja, o número de faltas diminui significativamente. 
  1. Valorização, credibilidade e reconhecimento profissional do trabalhador pela empresa, pois quando o trabalhador sente e percebe que a instituição se preocupa com a saúde e bem-estar dele, ele fica mais disposto a “vestir a camisa da empresa”. 
  1. Aumento da produtividade. Afinal, um ambiente de trabalho organizado de acordo com as normas ergonômicas oferece melhores condições de produção e, consequentemente, aumenta a rentabilidade da empresa. 
  1. Redução nas taxas de acidentes do trabalho. 
  1. Redução de atrasos. 
  1. Diminuição nos pedidos de demissão. 
  1. Redução dos custos em planos de saúde, pois ações ergonômicas previnem doenças ocupacionais físicas e mentais, ajudando a diminuir a taxa de acionamento dos planos de saúde. 
  1. Redução de custos operacionais. 
  1. Redução de problemas emocionais e psíquicos gerados pelo ambiente de trabalho –  como, por exemplo, a Síndrome de Burnout.
  1. Redução no número de trabalhadores afetados por doenças ocupacionais. 

Conheça um pouco mais sobre as doenças ocupacionais 

Um dos vários benefícios – que é, também, um dos principais objetivos da ergonomia – é justamente a prevenção das doenças ocupacionais. Por isso, vou te explicar brevemente o que são essas doenças e quais são as que mais ocorrem no Brasil. Vamos lá? 

As doenças ocupacionais são doenças relacionadas às condições de trabalho e ao exercício da função profissional. Dados de 2019 da Secretaria da Previdência, do Ministério da Economia, mostram que, em 2019, foram registrados 193,6 mil afastamentos relacionados a acidentes ou doenças de trabalho.  

Veja algumas das principais doenças ocupacionais: 

  • LER – Lesão por Esforço Repetitivo: acontece quando há esforço repetitivo e prolongado do mesmo movimento e membro, diminuindo a capacidade do indivíduo de trabalhar e podendo-o levar à aposentadoria por invalidez. 
  • Asma Ocupacional: é uma doença respiratória provocada pela inalação de agentes tóxicos presentes no ambiente de trabalho, que obstruem as vias respiratórias. 
  • Dermatose ocupacional: é também provocada por agentes tóxicos presentes no ambiente de trabalho, mas que atingem a pele e a mucosa do trabalhador. 
  • Transtornos auditivos: a exposição prolongada a ruídos da atividade profissional pode provocar surdez temporária ou definitiva. 
  • Dorsalgias: são os conhecidos “problemas de coluna” e a formação de hérnias de disco. 
  • Transtornos mentais: a pressão da atividade profissional pode desencadear problemas como ansiedade e depressão. Um dos transtornos psíquicos mais comuns relacionados ao ambiente de trabalho é a Síndrome de Burnout.

Como implantar a ergonomia na sua empresa 

O primeiro passo para implantar a ergonomia na sua empresa é a criação de um comitê que vai organizar ações ergonômicas para implementar e garantir a participação de todos os funcionários no cumprimento das normas de saúde e segurança.  

Feito isso, é hora de avançar para o treinamento e capacitação dos funcionários. E a Weex pode te ajudar nisso! Podemos desenvolver uma campanha 100% digital para sua empresa, que vai abordar os mais diversos assuntos relacionados à ergonomia, além de oferecer uma série de dicas de segurança práticas para a implementação dessas ações e cuidados no dia a dia dos trabalhadores. Assim, ficará bem mais fácil difundir a importância das ações ergonômicas de forma rápida, interativa e eficaz. Quer saber como funciona? Basta acessar nossa home page e preencher o formulário! 

Leve mais saúde e bem-estar para sua equipe e aumente a lucratividade do seu negócio! Conte com a Weex! 

Gostou desse artigo?

Nos ajude a espalhar conteúdo de qualidade com seus amigos e colegas!

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram

Quer receber conteúdos exclusivos como este no seu e-mail?

Assine nossa Newsletter!

Confira os últimos artigos públicados!

O que é SESMT e qual a sua importância para a empresa

SESMT é a sigla para Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. Neste artigo, você vai entender as funções e importância do SESMT, além de orientações sobre dimensionamento e obrigatoriedade da equipe nas empresas.

Ler artigo →